quarta-feira, 29 de junho de 2011

palavras de longe.... words from far away....

sabem a uma tranquila hora do chá, não acham?

they taste like quiet tea time, wouldn't you say?

terça-feira, 28 de junho de 2011

segunda-feira, 27 de junho de 2011

na hora do banho....

é surpreendente o quanto a Alice gosta tão pouco de tomar banho, se os bebés passam a primeira fase da vida "de molho".... e eu, gosto tanto, mas tanto de água...

para facilitar a tarefa, e visto não ter uma esponja, fiz este paninho em "beiroa" montando 30 malhas numas agulhas de 4m e tricotando um pequeno quadrado...
para embelezar um pouco, fiz um picot em crochet e voilá!!!!

e sim, é verdade que não uso nenhum sabonete especialíssimo e caro para bebés
cá em casa toda a gente passou a lavar-se com este!!!

Continua a achar que a maternidade feliz é aquela em que descomplicamos... afinal,
de que precisa mesmo um bebé???? e onde se compra?????

sábado, 25 de junho de 2011

Swaddling....


Podemos aprender muito sobre bebés se lermos sobre povos que anda estão conectados com o seu instinto... e o seguem...
talvez tenhamos avançado muito em ciência e progresso...
mas em amor...
neste livro estão imagens lindíssimas de bebés de todo o mundo e modos de cuidar deles...
outro livro que também aconselho sempre é este....
Ainda, sou das que acham que nenhum livro nos ensina sobre ser mãe, são eles, os bebés que nos ensinam a ser mãe "deles"....

A Alice é uma bebé sossegada... no entanto hoje estava um pouco inquieta, e tentei fazer swaddling com ela....
resultou....

O pano africano é dos especiais porque tem história.... foi um presente da
vizinha de baixo, de origem africana,
um pouco a medo, disse que tinha uma coisa para a Alicinha... mas....
acho que ficou mais à vontade quando viu o quanto eu fiquei feliz!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

bandana baby....

ontém reparei que a Alice tem um pouco de tudo, mas não tinha, imaginem um
chapéuzinho para o sol.... só gorros quentes...

e como tinha dois lindos tecidos da retrosaria (o lado B mostro noutro dia...) e sim,
desculpem lá ser mãe de dois e ter a ousadia de ter um tempinho vago...
fiz este lencinho....

fica-lhe bem, não?!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

e foi assim....


era só uma consulta de rotina... das 39 semanas que eu continuo a dizer eram mais... já tinha estado no hospital na terça, tinha contracções sem dores de noite... muitas noites...
e na sexta, telefonei ao médico e disse, hmmm... talvez não valha a pena ir à consulta, estive aí na terça... ao que ele respondeu, não vens cá hoje...
e fui...
ctg calminho...
ele diz, hmmm... nem pensar... só lá para a semana.
ainda assim tenho de te examinar... ao que disse: EPAH!!!! 4 dedos de dilatação??? nem pensar saires daqui!!!!

E assim foi...
Veio a Enfª/parteira... e dei entrada!

Tomei um duche... vesti-me...
tens medo? perguntou.
Não. não tenho medo!

Já deitada e ligada ao soro e ctg (sim, há coisas que não podemos evitar no hospital...)
tricotei... enquanto esperava pela dor...

Veio a parteira... e disse:
não posso evitar a oxitocina. Ordens do médico. no mínimo, disse... vamos ver assim no mínimo.
e fiquei... dores nada... contracções sim. Veio o médico perguntar: Ouve, tens a certeza que não estás a sentir as contracções que eu vejo registadas no monitor?
Rimos... sinto. não doem.
és uma insensível, disse a rir...

Depois a parteira... disse-me: Saía ás 00:30. que eu tinha duas hipoteses:
a) não fazíamos nada... o meu parto adivinhava-se lento, mas tudo correria bem, só não podia garantir o que o novo turno faria... não podia controlar...
b) epidural e rompimento de bolsa... aceleraria o processo e nasceria no turno dela, onde ela poderia controlar algumas coisas...

eu entendi.

Na cama eu não tinha espaço para minimizar a dor... massagens, sacos quentes, banhos... são para um outro espaço que eu não pude escolher....

E sim... foi assim:
rompeu-se o oceano... e veio a epidural... e as ondas chegaram, mas com contracções curtas e rápidas... que em quase nenhum tempo eram dilatação completa...
na sala de partos, fez-se força e empurrou-se a Alice para a praia...
sem episiotomia...
pousada em mim, foi dado ao pai a oportunidade de cortar o cordão que nos ligava...
com calma... sem pressas... abriram-me a roupa e ela veio para a minha pele... ABRIU OS OLHOS.... chorei... MAMOU... ali mesmo...
nasceu a placenta, mostraram-me...
choramos, eu e a parteira...

não ía descrever isto aqui... a nossa história... mas o parto é quase sempre contado de forma tão aterradora...

o parto da Alice foi um parto humanizado, como aqueles pelos quais luto...
uma doula grávida, é como qualquer mulher grávida.... precisa de alguém para dar a mão,
um rosto conhecido, um sorriso...
precisa de ter opções, que lhe perguntem, queres isto ou aquilo? e poder escolher, que não lhe seja imposto.
E precisa de paz.

uma doula não é uma mulher que acompanha partos em casa...
é uma mulher que acompanha mães...
uma doula grávida não é uma mulher que pare em casa,
é uma mulher que pare onde pode, onde acha certo para si...

uma parteira no verdadeiro sentido da palavra é a que eu tive...
não lhe pedi nada, não lhe falei sobre as coisas em que acreditava...
mas ela soube...

e não vou dizer obrigada: fez o seu trabalho...
mas vou dizer:

thanks for this piece of cake! i owe you one!
e ela vai entender!

sexta-feira, 17 de junho de 2011

quinta-feira, 16 de junho de 2011

just in case.... para o caso...

you are wondering what i am up to,
i knit,
eat cherries...
have contractions...
and sleep!

de estarem a pensar o que ando a fazer,
tricoto,
como cerejas...
tenho contracções...
e durmo!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Impregnadas de oxitocina....


Recebi esta lã como presente da @rita cordeiro...
e ela sabe o que eu gosto... as pessoas próximas de mim sabem que meias é a "minha coisa"... e tricotar meias, para quem gosta, pode tornar-se um vício difícil de controlar. O que muitas pessoas não sabem, é que tricotar tem superpoderes... e esta la vinha, para mim, impregnada de oxitocina... a dita hormona do amor... por ter vindo de alguém que eu gosto, por ter chegado na altura em que chegou.
Então, imediatamente me sentei a tricotar um par de meias rendadas, que foi o que a Rita me sugeriu... e podem dizer que sou doida, ou não dizer mas pensar, mas sempre que me sentei a tricotá-las, tive contracções...

No dia mundial do tricot em público, levei-as para o hospital e tricotei durante o CTG, e antes, na sala de espera... tricotei no parque, e agora, bem, agora já não tricoto mais porque já estão prontas... modéstia à parte, estão lindas, não que eu as tenha tornado assim, mas porque há lãs que fazem qualquer trabalho atraente... quando s calçar, vou sempre lembrar-me do bom que é, esta espera... e a minha filha, tal como o meu filho, vão associar-me para sempre a este tric-tric das agulhas de bamboo... em público ou em privado!!!!

terça-feira, 7 de junho de 2011

The crib is ready, but....

of course we are co-sleeping, when she arrives...
in the photo, the pillow, and the quilt i made her... the doll from Rosa, the hare from Virginia, and last but not least, the just arrived baby blanket from Rita...
when it came in the mail, my son was so thrilled:
UAU!... MOM, Alice is going to go nuts about this blanket, it has rainbow colors..., then he went and put it in the crib....
soon, very soon, i will have a photo of this blanket with Alice swaddled in it...
soon...

O berço pronto, mas claro, no início, dormirá connosco.
Na photo, a almofada e manta que lhe fiz... a boneca da Rosa, a lebre da Virginia,
e a recém chegada manta da Rita...
quando chegou no correio, o meu filho ficou tão entusiasmado que lançou um enorme:
UAU!!! MÃE!!! A Alice vai ficar doida com esta manta, tem as cores do arco-iris... depois foi colocá-la no berço...
breve, muito breve terei uma foto desta manta a aconchegar a Alice...
Breve...


sexta-feira, 3 de junho de 2011

My way... Á minha maneira!


Não deve haver nada a vida, que provoque nas mulheres tanta opinião, como a maternidade...
Mulheres que nunca tiveram filhos, opinam. Mulheres que já tiveram um, acham que já tem a escola toda... mulheres que tiveram muitos... ui!...

Mulheres magras não dão leite bom, ou não vão conseguir parir pela via normal... não podemos comer laranjas, ou chocolate... não podemos isto, aquilo... bem vistas as coisas, não é podemos é fazer NADA.

Há alguns anos atrás, fui doula de um casal muito jovem... uns 19 anos... esta manhã acordei a pensar neles, nem sei bem porquê...

Ela trabalhava num café onde eu ia, e disse-me, devia na altura ter 18, para o ano, vou engravidar e vou precisar da tua ajuda...

Quando ia a casa deles, para as sessões, era tudo tranquilo... ele fazia guisados no meio dos "yas" e "bués" não ouvia mas escutava... ela, com os olhos arregalados, absorvia cada palavra... e eu tinha medo... porque no meio havia sempre alguém, que achava que eles eram demasiado novos ou inexperientes... e palpitavam, e diziam... então dizia sempre: sabes, estou aqui a dizer-te estas coisas, mas, TU és a mãe, logo, Tu tens de fazer as coisas à tua maneira... não à minha ou à de outras pessoas...
E ela acenava que sim!

A bebé nasceu... e passadas duas semanas recebo uma chamada duma cunhada... que vivia com eles.

Identificou-se e começou com o role de acusações:

Se eu achava normal ela dar banho no lavatório.
Com água e sabonete? perguntava eu... ah! claro, ela é quem sabe!

Se eu achava normal ela dar de mamar deitada (???)
dá-lhe jeito? perguntava eu... ah! claro, ela é quem sabe!

Se eu achava normal ela querer sair de casa...
mas deixa a bebé em casa sozinha? perguntava eu...
NÃO.... LEVA-A!!!!
ah!.... que bom, dizia eu....

e ela queria continuar... mas a certa altura eu mandei-a parar. E disse-lhe para nem se atrever a confrontar a mãe com estas coisas... e que no dia que ela própria fosse mãe, iria entender.

Vejo-a na rua, a cunhada, e ela baixa os olhos.
A mãe, vejo-a... tem mais uns aninhos, e tem passado uma vida nada fácil. Mas passa de cabeça erguida, confiante. Mulher/mãe.

Nos grupos de discussão no facebook, onde pertenço. Leio palpites e comentários que são de bradar aos céus... como se houvesse uma maneira de ser mãe. Uma maneira correcta... e nunca ninguém pensa, que aquilo que vai dizer a uma grávida ou recém-mãe, pode abalar para sempre a sua auto-confiança... por isso, estou a escrever este post, que já vai bem longo, para alguém que ontem me ligou a chorar, que não ia ser capaz... Alguém bem crescidinha...
Se as outras conseguem, também conseguirás...
porque não precisas de estudar nenhuma lição, ler livros, tirar cursos, pensar muito... comprar coisas... ou escutar um monte de opiniões...

precisas só de fazer as coisas como TU achares que devem ser feitas... e seres a mãe que já és... e nunca baixares a cabeça... para um dia daqui a muitos anos, poderes dizer como o Frank:

regrets, i've had a few, but then again, too few to mention... i did what i had to do and saw it through, without exemption

i've loved, laughed and cryed...
(...)
to think i did all that
and may i say, NOT in a SHY way
oh no, oh no not me...
i did it MY WAY!!!
for what is a WOman
what has SHE got
if not herself, then she has naught
to DO the things SHE truly feels
and not the things, of one who kneels
the record shows i took the blows and did it my way!